Um show de surf no WCT4, Oi Rio Pro 2015

Do dia 11 a 22 de maio o mar da Barra da Tijuca do Rio de Janeiro, recebeu grandes atletas internacionais, e claro… brilharam muito nossos atletas brasileiros.

 

 

COMPETIÇÃO MASCULINA

Nessa etapa do Oi Rio Pro 2015, as condições climáticas foram satisfatórias para que o evento fosse realizado. Particularmente senti falta de condições mais agressivas, a fim de explorar todo o potencial dos competidores. Tanto que não foram compatíveis para Kelly Slater, Mick Fanning e John John Florence, que foram eliminados no decorrer das etapas.
Nessa etapa, nosso Brazilian Storm foi muito bem representado por Wiggolly Dantas, Gabriel Medina, Italo Ferreira, Mineirinho, Alejo Muniz, Jadson André, Filipe Toledo, Miguel Pupo e os convidados David do Carmo e Alex Ribeiro.
Equipe tão bem representada que não poderia ser diferente.
Nas primeiras baterias Filipinho e Mineirinho já apontaram grandes notas logo no primeiro round. Obviamente os gringos não deixaram por menos, e John John Florence meteu-lhes duas ondas de grande aproveitamento (round 3 com 9.77 e 9.00). Houve também muitas disputas entre brasileiros.
Filipinho tomou dianteira e bem devagar passou pelas semi-finais, e mostrou todo seu potencial e auto-controle na final com o australiano Bede Durbidge. Duas onda fenomenais com domínio de seus firmes aéreos. Garantindo as maiores notas dessa etapa: 10.00 e 9.87.
Com essa vitória, Filipe Toledo passa para a segunda posição no ranking mundial, logo atrás e não muito distante de Mineirinho.
unnamed     unnamed

COMPETIÇÃO FEMININA

Para as mulheres as condições cariocas foram favoráveis, para a competição.
O Brasil, foi muito bem representado pelas brasileiras e super guerreiras Silvana Lima e a convidada Luana Coutinho.
Essa etapa uma de nossas favoritas, Stephanie Gilmore não pode competir, depois de uma lesão na última etapa na Austrália. Enfim… a encontraremos em Fiji… Para alegria de algumas (ou não).
Lakey Person mostrou bom desempenho com pontuação um pouco acima da média com suas ondas, Silvana Lima mandou bem ate o round 4, e uma de nossas queridinhas Carissa Moore foi eliminada na semi-final.
Modestia a parte, tivemos uma boa final entre Bianca Buitendag e Courtney Conlogue, que acabou levando o troféu da Cidade Maravilhosa.
Courtney garante sua segunda vitória seguida nas disputas dos CTs e garante a segunda posição no ranking mundial, depois de Carissa Moore.
 unnamed

unnamed

 

Foto:WSL

Novos favoritos em Margaret River, WCT 2015

Mais um post fresquinho sobre as novidades do maior campeonato de surf do planeta WCT. Essa terceira etapa em Margaret River foi diferente das demais falando de emoção e novos destaques.

As condições climáticas foram melhores que as etapas passadas em Gold Beach e Bells Beach. Nos proporcionou tubos e grandes oportunidades pra diversos atletas destacarem-se dos demais que disputam como favoritos nessa etapa do WCT #3 Drug Aware Margaret River Pro 2015, no período de 14 a 23 de abril.

 

COMPETIÇÃO MASCULINA

Essa etapa surpreendeu a muitos. Tanto a espectadores, quanto para os atletas que competiram o CT#3 em Margies River. E vou além, principalmente para a equipe que compõem o time Brazilian Storm, que ficaram logo no começo do caminho.

Kelly Slater brilhou muito no 3. round (9.5 e 10), e no 4. round já começaram a despontar alguns favoritos: o Havaiano John John Florence, Nat Young, Taj Burrow e Slater se garantiram logo de cara para as quartas de final.
Na repescagem os atletas mostraram alto desemprenho e isso resultou em boas notas médias de baterias, e o Mineirinho foi o único brasileiro que se classificou para competir as quartas também. E, para surpresa de muitos Mineirinho (6.83 e 8.9) competiu a última bateria das quartas com Kelly Slater (2.83 e 7.13), e ganhou com 5.77 de vantagem.
Com o coração na mão nesta final masculina entre Adriano de Souza (BRA) e John John Florence (HAW), competiram em uma disputa apertadíssima. JJ Florence pegou muitas ondas, com o objetivo de gerar oportunidades em busca de maiores notas, surfou muito bem mas muitas vezes não conseguia finalizar, segurando suas maiores notas 7.87 e 9.0. Já o brasileiro Mineirinho apresentou muita técnica e concentração nessa bateria e na etapa como um todo, ganhou de seu oponente com uma vantagem de 0.66 com apenas 3 ondas.
Com essa vitória Adriano de Souza lidera o ranking mundial do CT de 2015, seguido por Mick Fanning na segunda posição e Filipe Toledo em terceiro. Vamos lá, Brasil dominando o universo do surf.

961a9cfb3bc383dffe37ff3ab6f6e3b9

369fdb12bd36827e4aa1dbfdbd5b8cc4

f3c4e81d72f97d94fd557f98eaa5dd70

b0cba63f2ab81f10463f12e8b60725c0

5542980190e38484ec6d3ead666c7cbf

 

COMPETIÇÃO FEMININA

Final de grande emoção e grandes oportunidades, a competição feminina provou que há muita garota com grandes potenciais e muito talento.

Para início de conversa – tristeza para alguns e alegrias para algum(as) – uma das favoritas da liga Stephanie Gilmore se machucou e não competiu, abrindo vantagem para a brasileira Silvana Lima e algumas outras garotas, como Malia Manuel (HAW), Bianca Buitendag (ZAF) e Courtney Conlogue (USA) que conseguiram chegar as quartas (não desmerecendo seu desempenho, pois toda performance é merecedora devido grande esforço e dedicação de todas as atletas).

Destaques também para Tatiana Weston-Webb (round#2 9.03 e 9.27) Sally Fitzgibbons (round#3 9.50 e 9.30) que surfaram com muita garra nas quartas. A havaiana Carissa Moore mostrou pra que veio desde o início, mantendo ótimo aproveitamento desde o início, segurando maiores médias nas baterias que competiu.

A semifinal foi de grande emoção quando Carissa Moore competiu e ganhou por  0.46 a primeira bateria da semifinal com a australiana Sally Fitzgibbons, que quase ganha de último momento. Courtney Conlogue chegou aos poucos, sem chamar atenção (mentira, porque ela meteu um 9.0 em cima de Malia Manuel, ganhando a bateria). Até o ponto que competiu a grande final de Margaret River em 2015 com Carissa Moore, na qual defendia sua vitória do último campeonato de 2014.

Nos últimos momentos, o mar não proporcionou boas ondas, e Courtney Conlogue garantiu seu lugar ao pódio, com muita humildade e merecimento (e sorte ), chegou a garantir uma posição no ranking mundial, passando para segunda colocada. Você pode conferir aqui.

 

a765c0b7aeaf2a5917dbdf1d3552994b

2c4299718af3caf12a8f2dd488e42a81

adef4a914ef0a1c27cf4755e94cc79cc

ea15296e7fbb3d9b9fe040f4740bcc37

4914c728662f2f3dd72cd8345feb8766

Fotos: WSL

Próxima etapa agora promete, e muito.

Muitas emoções nos aguardam no OI Rio Pro, na cidade maravilhosa. ALOHA!

* Fontes: WSL, Canal Woohoo